Pesquisar este blog

Páginas

26 de dez de 2011

Parque de sonhos


Alguém disse que a lua nasce por de trás da serra avisando que a noite chegou e que as luzes das casas se apagam dizendo que o dia acabou.

Aqui a noite chega quando as portas das lojas abaixam e os cobertores agasalham as calçadas. Nele crianças adultas, Adulteradas transam em busca de proteção ou medo.

Eufóricas pela chegada da noite, embaladas pela cola e o crack brincam de ser criança, correm descalças no imenso quintal que descansa dos carros.

Na noite são Reis, Princesas e Rainhas ou simplesmente crianças. Protegidas pela escuridão arreganham os dentes e dançam, correm de braços abertos como se quisessem agarrar no ar seu direito de sonhar.

E giram, como se o mundo fosse um grande parque, rodopiam até que seu corpo exausto caia procurando no outro acalanto para o frio, dividindo com tantos um único pedaço de pano sobre o chão.

Dormem agarrando uns aos outros, colados na tentativa de transformar-se em um único corpo.

Dormem até que a luz do dia venha acompanhada das botinas e esguichos d’agua, avisando que a realidade chegou.

Outubro/2011
Luciana Santos

2 comentários:

  1. Parabéns pelo seu texto, Luciana! Ele é ótimo e o que mais gostei. Que bom que voltou a escrever.

    ResponderExcluir
  2. Luciana, minha cara amiga de lutas e de utopias,

    "Na noite são Reis, Princesas e Rainhas ou simplesmente crianças. Protegidas pela escuridão arreganham os dentes e dançam, correm de braços abertos como se quisessem agarrar no ar seu direito de sonhar..."

    Muito lindo!
    Parabéns!

    ResponderExcluir